Seguidores

sexta-feira, 17 de julho de 2015

<iframe width="726" height="407" src="http://iptv.usp.br/portal/embed-transmission?idItem=28854&autostart=false" frameborder="0" scrolling="no" allowfullscreen></iframe>

quinta-feira, 9 de julho de 2015

Filhos,
Nos ensinamentos trazidos por Krishna, seja através do Bhagavad Gita ou do Bhagavata Puranas, há um conselho que o Sublime Senhor traz. Ele diz: concentre-se no ser, mantenha-se concentrado no ser. 
Pai Joaquim de Aruanda 

domingo, 7 de junho de 2015

Pensamento do dia do Ashram, 7 de junho de 2015, domingo

Ponteiro dos minutos horas uma alma individual. Ela caminha volta após volta e o ponteiro das horas move-se silenciosamente e lentamente, com dignidade. O ponteiro das horas é a alma suprema. Cada hora eles se encontram, mas alma individual não atinge unidade consagrada para sempre. Ela perde a chance preciosa e forçada a ir novamente volta após volta. O lançamento acontece quando ambos são mesclados e continua a ser o único. Como o bicho da seda tece um fio do casulo, que se tornará seu túmulo, pessoas constroem sua própria prisão de mentes, em que eles próprios são capturados. Comprometer a sua mente com a tarefa de servir a Deus, e gradualmente se torna obediente. Conversão de sua mente para Deus. Esquecer o passado e não se preocupe com erros no futuro. Manter na memória apenas aqueles pensamentos que são dignos de recordá-los e diligentemente seguir práticas espirituais. Então você alcançar o progresso espiritual. (Intervenção divina, 2 de janeiro de 1964 em diante)

Sai Baba

domingo, 3 de maio de 2015

"Não vem ao meu coração mais e mais 
Este espírito infinito de confiança, 
Que, apesar de todos os erros terra-aparentes, 
O universo sempre é justa. 
"Não importa o quão pesada a carga, nem o quão amarga 
os ensaios que conhecemos, 
Embora quebrado e esmagado no pó, 
Estamos colhendo o que semeamos. '' 
Henry Victor Morgan

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Alienígenas do Passado (Especial)

A Vida...


“A vida é como jogar uma bola na parede:
Se for jogada uma bola azul, ela voltará azul;
Se for jogada uma bola verde, ela voltará verde;
Se a bola for jogada fraca, ela voltará fraca;
Se a bola for jogada com força, ela voltará com força.
Por isso, nunca “jogue uma bola na vida” de forma que você não esteja pronto a recebê-la.
A vida não dá nem empresta; não se comove nem se apieda.
Tudo quanto ela faz é retribuir e transferir aquilo que nós lhe oferecemos.”
Albert Einstein

segunda-feira, 5 de março de 2012

OS NETOS DE VOVÓ BENEDITA



Sentado no chão, eu ficava olhando aquele armário com portas enormes, feito de pura madeira trabalhada, tinha uma cor estranha, quase preta, vovó dizia que tinha pertencido a um coronel dono de muitas fazendas no interior de São Paulo. Duas janelas de vidro, já com sinais de velhice, possibilitava ver louças, utensílios, raízes secas e outras coisas que vovó utilizava para fazer suas mandingas e curar aquele monte de gente que a procurava todos os dias. Sabe… nos meus nove anos de vida, não me lembro de ver outra pessoa abrir aquele armário, que não fosse a vovó Benedita. Minha prima Luiza já tinha dezesseis anos e ajudava vovó todo dia a receber as pessoas, eu a achava meio chata porque ficava cantando uma música estranha enquanto fumaçava a casa todinha, até o casal de gatos rajados caiam no sono depois de todo aquele fumacê, também pudera né?...
Lá pelas nove da manhã, Luiza abria a tramela da janela rangente de duas folhas que iam até o teto, e eu podia ver aquela gentarada esperando do lado de fora. Sentada num toco de amoreira, vovó recebia um por um daquela gente toda, conversava com todos, enquanto Luiza que não desgrudava do ladinho dela, ia misturando coisas, socando no pilão, e depois punha toda aquela mistura num saquinho de pão, e dava para a pessoa levar. Naquela época eu não entendia o que vovó fazia, e muitas das vezes me perdia em pensamentos brincando com os gatos preguiçosos, que corriam assustados quando vovó batia a bengala no chão, e fazia sinal para que eu ficasse quieto. Vovó como ela mesma dizia, apesar de pobre, era uma mulher letrada, tinha estudado em escola de freiras, super prendada, tocava bandolim aos finais de semana. Bem….. o tempo foi passando, vovó mantinha sua rotina, e eu fui crescendo e compreendendo melhor a missão daquela vovozinha de cabelos brancos e sorriso ingênuo.
Certo dia para nossa tristeza, vovó nos deixou e voltou para sua casa na terra do nosso pai Olorum. Era uma Quarta-feira do mês de Agosto, havia passado duas semanas do desencarne da vovó, e Luiza como de costume, abriu a janela rangente de duas folhas, e lá estava o povo esperando para ser atendido. Durante uns dez minutos, Luiza permaneceu em pé observando a fila de pessoas do outro lado da cerca de bambu, e pela primeira vez a vi sorrir, momento em que colocou um lenço na cabeça, sentou-se no toco de madeira e falou:
- Fique do meu lado, meu primo! Estamos prontos!
- Tome, fique com a chave do armário grande… Agora ela é sua.
- Vamos continuar o trabalho da vovó.
Meu coração bateu forte, e a falta da velhinha de cabelos brancos, me fez sentir uma tristeza repentina. Tomei então meu lugar ao lado de Luiza, e não consegui conter as lágrimas ao ver que sentado no chão de tijolo vermelho, meu filho de cinco anos brincava descontraído com dois gatinhos rajados.
Adorei as Almas meu querido Pai João!

Por: Wilson de Omulu

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

CHICO XAVIER E CLODOVIL

CHICO E O PAR DE ABOTOADURAS DE OURO
Em recente programa de televisão, no SBT, Clodovil, o famoso estilista brasileiro, questionado pelo repórter sobre em que pessoa, de forma alguma, daria uma alfinetada, respondeu:
- Em Chico Xavier!… O Brasil precisa conhecer melhor Chico Xavier, saber quem é esse homem extraordinário, essa figura ímpar, que faz tanto bem à alma da gente…
E contou, emocionado:
- Em uma das visitas que lhe fiz, em Uberaba, levei a ele, de presente, um par de abotoaduras de ouro. Chico agradeceu muito, conversamos descontraidamente por alguns minutos e, quando fomos nos despedir, ele me pediu que esperasse… Foi ao seu quarto e voltou com um relógio nas mãos, com que, gentilmente, me retribuiu o presente que eu lhe fizera… Ele não me disse nada, mas, então, pude compreender qual seria, em breve, o destino daquele par de abotoaduras de ouro que eu lhe dera!…

Livro: Chico Xavier, o Apóstolo da Fé: 75 Anos de Mediunidade

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Sair do corpo físico.

“Uma saída consciente do nosso corpo basta para saber que sobrevivemos à morte, mas uma só saída consciente não basta para nos tornarmos autoconscientes”.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

O Mantra mais Poderoso - Por Firmino José Leite

https://groups.google.com/group/duee/browse_thread/thread/b7bff606c0c9b062?hl=pt&pli=1

Amigos, paz!

Existem muitos mestres, muitos ensinamentos, muitas correntes filosóficas e religiosas. Muitos são os caminhos e muitas são as moradas na casa de meu Pai como ensinou Cristo mas, apesar disso, estes ensinamentos possuem diversos pontos que são similares não importando a crença, a fé ou o mestre. Um destes aspectos é o despossuir. Não importa que caminho se utilize para a aproximação com Deus, sempre encontramos lá o recado para abandonarmos as coisas deste mundo. Cristo, inclusive, foi muito enfático neste aspecto quando disse que quem quiser manter a sua vida a perderá, mas quem não tiver medo de perdê-la a ganhará.

Apesar disso, acho que este é o "trabalho" mais difícil a ser executado. Isto porque quando se fala em despossuir as pessoas imaginam que está se falando apenas nos objetos desse mundo. Muitos acreditam que tenham conseguido alcançar o despossuir simplesmente porque não se prendem a ter uma casa, um carro ou qualquer outro objeto. Mas, a coisas é mais profunda.

O despossuir não está vinculado apenas aos elementos materiais, mas a todas as coisas do mundo. O despossuir não pode ser aplicado apenas aos objetos, mas deve ser, principalmente, trabalhado naquilo que Buda chamou de "paixões".

Paixões são os padrões positivos do espírito. Querer a paz, que todos tenham comida, que todos possuam um teto, enfim, que as coisas estejam dentro dos padrões que nós achamos "certos". Isso são paixões humanas e não espirituais, pois, como diz o Espírito da Verdade, a desigualdade social é necessária como instrumento de carma no atual estágio de elevação espiritual que encontram-se aqueles que estão reencarnados no planeta Terra.

As paixões são os "quereres", mas também são os "não querer" algo. Tudo aquilo que o ser humanizado "torce" para que não aconteça com ele ou com o próximo, é uma paixão e faz parte apenas deste "mundo", pois liberto do véu da ignorância que o cerca (a ação maya criada pelo ego) o espírito compreende que nada acontece por acaso, mas em tudo está uma emanação de Deus.

As paixões, portanto, são coisas deste mundo e precisam ser objeto de trabalho para libertação de sua ação. Mas, como realizar isso? Como, insuflado pelo ego que "força" para que haja o êxtase do prazer ou a depressão da dor manter-se indifirente? Não é um trabalho fácil, mas para nos auxiliar os amigos espirituais nos ensinaram um mantra poderoso.

Mantra é uma série de sílabas místicas que invocam a energia necessária para que o espírito possa manter-se na pureza durante a vida encarnada. São sons que se pronunciados com o devido sentido podem levar o espírito a conseguir a clareza para realizar o seu trabalho na encarnação.

Pois foi para ajudar-nos a vencer o apego às coisas materiais que os amigos espirituais nos ensinaram o seguinte mantra: DANE-SE. Aí está o som que pode nos ajudar no desapego.

Eu gostaria de estar agora numa praia descansando, mas lá fora está chovendo, faz frio e eu estou "trabalhando": dane-se. Eu queria muito que não houvessem mais guerras no mundo e que a humanidade vivesse em amor e respeito: dane-se.

Que se dane aquilo que eu quero. Não é isso que está acontecendo e se eu me prender ao desejo oriundo do meu ego formado a partir de uma paixão certamente sofrerei ou exultarei no prazer. Portanto, dane-se o que o ego me diz. É preciso viver com a realidade, ou seja, viver o mundo e a nossa vida como ela está, sem ilusões.

Vocês poderiam me dizer: mas não custa nada "sonhar"... Custa sim: a sua elevação espiritual.

Quem "sonha" com alguma coisa sofre, porque o mundo não está aqui para satisfazer nossas necessidades materiais, mas sim para criar as condições necessárias para que cada um vivencie o seu carma. O "sonho" e o desejo de que ele se realize são posses oriundas das paixões. Portanto, dane-se meus sonhos, minhas vontades, meus desejos, sejam eles positivos ou negativos.

Como disse é preciso usar o mantra dentro do seu devido sentido. Neste "dane-se" não há menosprezo, revolta ou ofensa, mas apenas desprezo pelas coisas materiais. Quem se apega às paixões é apegado ao mundo material e por isso está sempre preso ao binômio prazer/dor. Quem manda o mundo se danar liberta-se de tudo isso e não mais condiciona sua felicidade à realização de suas paixões.

O estado de felicidade incondicional é o que Cristo chamou de bem-aventurança. Ele só pode ser alcançado quando o espírito liberta-se dos bens materiais, da posse de suas paixões, pois enquanto o ser universal estiver aprisionado às suas vontades vivenciará às vicissitudes com prazer no momento que elas satisfizerem seus desejos e no sofrimento quando não atender suas expectativas.

Portanto, bem-aventurado aqueles que mandam as suas paixões e os seus desejos se danarem....

Fiquem com Deus.

FIRMINO JOSÉ LEITE

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Livro lista 5 principais arrependimentos de pessoas prestes a morrer

Uma enfermeira australiana lançou um livro
com uma lista de cinco principais arrependimentos
de pessoas que estão prestes a morrer.
Bronnie Ware, que é especialista em
cuidados paliativos e doentes terminais, afirma
que reuniu em seu livro "confissões honestas e
francas de pessoas em seus leitos de morte",
confissões que, segundo ela, mudaram sua vida.
"Encontrei uma lista grande de
arrependimentos, mas, no livro, me concentrei nos
cinco mais comuns", disse a autora à BBC.

Os cinco maiores arrependimentos
1. Queria ter tido a coragem de fazer o que
realmente queria, e não o que esperavam que eu fizesse
2. Queria não ter trabalhado tanto
3. Queria ter tido coragem de falar o que realmente sentia
4. Queria ter retomado o contato com os amigos
5. Queria ter sido mais feliz

Emmanuel encerra o livro Vida e Sexo com a seguinte recomendação:

 " Diante de toda e qualquer desarmonia no mundo afetivo, seja com quem for e como for, colocai-vos, em pensamento, no lugar dos acusados, analisando as vossas tendências mais íntimas e , após verificardes se estais em condição de censurar alguém, escutai, no âmago da consciência, o apelo inolvidável do Cristo: Amai-vos uns aos outros como vos amei. "

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Lição de sabedoria

"A regra de ouro consiste em sermos amigos do mundo e em considerarmos como uma toda a família humana.
Quem faz distinção entre os fiéis da própria religião e os de outra, deseduca os membros da sua religião e abre caminho para o abandono, a irreligião."
- Mahatma Gandhi

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

ATITUDES QUE DRENAM AS ENERGIAS


1. Pensamentos obsessivos -
Pensar gasta energia, e todos nós sabemos disso. Ficar remoendo um problema cansa mais do que um dia inteiro de trabalho físico. Quem não tem domínio sobre seus pensamentos - mal comum ao homem ocidental, torna-se escravo da mente e acaba gastando a energia que poderia ser convertida em atitudes concretas, além de alimentar ainda mais os conflitos. Não basta estar atento ao volume de pensamentos, é preciso prestar atenção à qualidade deles. Pensamentos positivos, éticos e elevados podem recarregar as energias, enquanto o pessimismo consome energia e atrai mais negatividade para nossas vidas.
2. Sentimentos tóxicos –
Choques emocionais e raiva intensa também esgotam as energias, assim como ressentimentos e mágoas nutridos durante anos seguidos. Não é à toa que muitas pessoas ficam estagnadas e não são prósperas. Isso acontece quando a energia que alimenta o prazer, o sucesso e a felicidade é gasta na manutenção de sentimentos negativos. Medo e culpas também gastam energia, e a ansiedade descompassa a vida. Por outro lado, os sentimentos positivos, como a amizade, o amor, a confiança, o desprendimento, a solidariedade, a autoestima, a alegria e o bom-humor recarregam as energias e dão força para empreender nossos projetos e superar os obstáculos.
3. Maus hábitos, falta de cuidado com o corpo –
Descanso, boa alimentação, hábitos saudáveis, exercícios físicos e o lazer são sempre colocados em segundo plano. A rotina corrida e a competitividade fazem com que haja negligência em relação a aspectos básicos para a manutenção da saúde energética.
4. Fugir do presente –
As energias são colocadas onde a atenção é focada. O homem tem a tendência de achar que no passado as coisas eram mais fáceis: “bons tempos aqueles!”, costumam dizer. Tanto os saudosistas, que se apegam às lembranças do passado, quanto aqueles que não conseguem esquecer os traumas, colocam suas energias no passado. Por outro lado, os sonhadores ou as pessoas que vivem esperando pelo futuro, depositando nele sua felicidade e realização, deixam pouca ou nenhuma energia no presente. E é apenas no presente que podemos construir nossas vidas.
5. Falta de perdão –
Perdoar significa soltar ressentimentos, mágoas e culpas. Libertar o que aconteceu e olhar para frente. Quanto mais perdoamos, menos bagagem interior carregamos, gastando menos energia ao alimentar as feridas do passado. Mais do que uma regra religiosa, o perdão é uma atitude inteligente daquele que busca viver bem e quer seus caminhos livres, abertos para a felicidade. Quem não sabe perdoar os outros e si mesmo, fica ”energeticamente obeso”, carregando fardos passados.
6. Mentira pessoal –
Todos mentem ao longo da vida, mas para sustentar as mentiras muita energia é gasta. Somos educados para desempenhar papéis e não para sermos nós mesmos: a mocinha boazinha, o machão, a vítima, a mãe extremosa, o corajoso, o pai enérgico, o mártir e o intelectual. Quando somos nós mesmos, a vida flui e tudo acontece com pouquíssimo esforço.
7. Viver a vida do outro –
Ninguém vive só e, por meio dos relacionamentos interpessoais, evoluímos e nos realizamos, mas é preciso ter noção de limites e saber amadurecer também nossa individualidade. Esse equilíbrio nos resguarda energeticamente e nos recarrega. Quem cuida da vida do outro, sofrendo seus problemas e interferindo mais do que é recomendável, acaba não tendo energia para construir sua própria vida. O único prêmio, nesse caso, é a frustração.
8. Bagunça e projetos inacabados –
A bagunça afeta muito as pessoas, causando confusão mental e emocional. Um truque legal quando a vida anda confusa é arrumar a casa, os armários, gavetas, a bolsa e os documentos, além de fazer uma faxina no que está sujo. À medida que ordenamos e limpamos os objetos, também colocamos em ordem nossa mente e coração. Pode não resolver o problema, mas dá alívio. Não terminar as tarefas é outro “escape” de energia. Todas as vezes que você vê, por exemplo, aquele trabalho que não concluiu, ele lhe “diz” inconscientemente: “você não me terminou! Você não me terminou!” Isso gasta uma energia tremenda. Ou você a termina ou livre-se dela e assuma que não vai concluir o trabalho. O importante é tomar uma atitude. O desenvolvimento do autoconhecimento, da disciplina e da terminação fará com que você não invista em projetos que não serão concluídos e que apenas consumirão seu tempo e energia.
9. Afastamento da natureza –
A natureza, nossa maior fonte de alimento energético, também nos limpa das energias estáticas e desarmoniosas. O homem moderno, que habita e trabalha em locais muitas vezes doentios e desequilibrados, vê-se privado dessa fonte maravilhosa de energia. A competitividade, o individualismo e o estresse das grandes cidades agravam esse quadro e favorecem o vampirismo energético, onde todos sugam e são sugados em suas energias vitais.
Novamente –
Posicionar os móveis de maneira correta, usar espelhos para proteger a entrada da casa, colocar sinos de vento para elevar a energia ou ter fontes d’água para acalmar o ambiente são medidas que se tornarão ineficientes se quem vive neste espaço não cuidar da própria energia. Portanto, os efeitos positivos da aplicação do Feng Shui nos ambientes estão diretamente relacionados à contenção da perda de energia das pessoas que moram ou trabalham no local. O ambiente faz a pessoa, e vice-versa.
(Desconheço o Autor)

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Sou como a água.

Nenhuma barreira poderá represar-me e impedir que me torne um oceano.
Se barrarem minha passagem colocando grandes pedras no meu leito converter-me-ei em torrente, em cachoeira, e saltarei impetuoso.
Se me fecharem todas as saídas, eu me infiltrarei no subsolo.
Permanecerei oculto por algum tempo mas não tardarei a reaparecer.
Em breve estarei jorrando através de fontes cristalinas para saciar a sede dos transeuntes.
Se me impedirem também de penetrar no subsolo, eu me transformarei em vapor, formarei nuvens e cobrirei o céu.
E, chegando a hora, atrairei furacão, provocarei relâmpagos, desabarei torrencialmente, inundarei e romperei quaisquer diques e serei finalmente um grande oceano.

Massaharu Taniguchi

Alabê de Jerusalém - Os Intolerantes - Altay Veloso

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Negrojesus

Queridos irmãos SUD, gostaria de saber qual destes Jesus você seguiria se ele viesse na segunda vinda hoje.     

sábado, 14 de janeiro de 2012

Espetáculo da natureza aos meus olhos.

Estas fotos eu capturei com meu celular, no estacionamento do meu trabalho em São Paulo bairro de Pinheiros, o prédio é a Editora Abril às  06h30min de 13 de janeiro de 2012 (sexta feira 13).



quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

DIFERENÇA LÓGICA ENTRE RELIGIÃO E ESPIRITUALIDADE...


Texto do Prof. Dr. Guido Nunes Lopes(*)

A religião não é apenas uma, são centenas.

A espiritualidade é apenas uma.

A religião é para os que dormem.

A espiritualidade é para os que estão despertos.

A religião é para aqueles que necessitam que alguém lhes diga o que fazer e
querem ser guiados.

A espiritualidade é para os que prestam atenção à sua Voz Interior.

A religião tem um conjunto de regras dogmáticas.

A espiritualidade te convida a raciocinar sobre tudo, a questionar tudo.

A religião ameaça e amedronta.

A espiritualidade lhe dá Paz Interior.

A religião fala de pecado e de culpa.

A espiritualidade lhe diz: "aprenda com o erro"..

A religião reprime tudo, te faz falso.

A espiritualidade transcende tudo, te faz verdadeiro!

A religião não é Deus.

A espiritualidade é Tudo e, portanto é Deus.

A religião inventa.

A espiritualidade descobre.

A religião não indaga nem questiona.

A espiritualidade questiona tudo.

A religião é humana, é uma organização com regras.

A espiritualidade é Divina, sem regras.

A religião é causa de divisões.

A espiritualidade é causa de União.

A religião lhe busca para que acredite.

A espiritualidade você tem que buscá-la.

A religião segue os preceitos de um livro sagrado.

A espiritualidade busca o sagrado em todos os livros.

A religião se alimenta do medo.

A espiritualidade se alimenta na Confiança e na Fé.

A religião faz viver no pensamento.

A espiritualidade faz Viver na Consciência..

A religião se ocupa com fazer.

A espiritualidade se ocupa com Ser.

A religião alimenta o ego.

A espiritualidade nos faz Transcender.

A religião nos faz renunciar ao mundo.

A espiritualidade nos faz viver em Deus, não renunciar a Ele.

A religião é adoração.

A espiritualidade é Meditação.

A religião sonha com a glória e com o paraíso.

A espiritualidade nos faz viver a glória e o paraíso aqui e agora.

A religião vive no passado e no futuro.

A espiritualidade vive no presente.

A religião enclausura nossa memória.

A espiritualidade liberta nossa Consciência.

A religião crê na vida eterna.

A espiritualidade nos faz consciente da vida eterna.

A religião promete para depois da morte.

A espiritualidade é encontrar Deus em Nosso Interior durante a vida

Henry Victor Morgan

"A fé cria da substância eterna e faz expressar na manifestaçao material as coisas que o coração deseja"

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

- O CAIBALION -


CÁPÍTULO VI
O PARADOXO DIVINO
"Os falsos sábios, reconhecendo a irrealidade comparativa do Universo, imaginaram que podiam transgredir as suas Leis: estes tais são vãos e presunçosos loucos; eles se quebram na rocha e são feitos em pedaços pelos elementos, por causa da sua loucura. O verdadeiro sábio, conhecendo a natureza do Universo, emprega a Lei contra as leis, o superior contra o inferior; e pela Arte da Alquimia transmita aquilo que é desagradável naquilo que é agradável, e deste modo triunfa, O Domínio não consiste em sonhos anormais, em visões, em vida e imaginações fantásticas, mas sim no emprego das forças superiores contra as inferiores, escapando assim das penas dos planos inferiores pela vibração nos superiores. A Transmutação não é uma denegação presunçosa, é a arma ofensiva do Mestre."
- O CAIBALION -